segunda-feira, 21 de abril de 2008

Açoitado, Mas Não Derrotado!

Você sabia que a Lei determinava que um prisioneiro poderia receber até quarenta chibatadas? Esse era o limite máximo, que não podia ser ultrapassado. No entanto, sabe o que os algozes inventaram? Em vez de darem quarenta chibatadas, davam 39, para poderem dar mais 39. E assim por diante, até matar o preso. Paulo recebeu cinco vezes 39 chibatadas. No total 195 chibatadas.

Era um chicote de couro cru, entremeado de ossos de animais. Segundo os especialistas, as primeiras doze chibatadas eram dadas de traz para frente. Isto é, a pessoa ficava de joelho na frente do carrasco, que pegava então o chicote e o soltava no lombo do preso. Uma parte atingia-o no ombro e a outra na frente. Todas as vezes que o carrasco batia, o preso apanhava nas costas e no peito.

As doze primeiras chicotadas abriam valas na carne. As doze seguintes produziam uma dor semelhante a chumbo derretido sobre a pele. Você já viu derreter chumbo? Já imaginou o grau que a temperatura chega até que ele atinja o ponto de fusão?

De acordo com os especialistas, quem recebesse duas quarentenas, isto é, uma de trinta e nove e outra de quarenta ou ficava maluco, ou com seqüelas permanentes em seu sistema nervoso. Paulo recebeu cinco menos uma, no total 195 chibatadas.

  • II Coríntios 11:24-25: "Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um. Três vezes fui açoitado com vara,uma vez fui apedrejado,trez vezes sofri naufrágio e uma noite e um dia passei no abismo".

Apesar de todo esse sofrimento, ele disse: "Não estou atentando neste momento para as coisas temporais, mas para as eternas, e creio que ninguém vai roubar a vitória da minha vida. Eu sou mais do que vencedor, custe o que custar, venham lutas de onde vierem, a vitória esta selada" Essas eram as convicções de Paulo. E acrescentou: "porque a nossa 'leve e momentânea' tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente" (II COR 4:17).


  • Romanos 8:18: "Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós ha de ser revelada".
Estes acontecimentos de Paulo nos traz uma grande responsabilidade diante das lutas de cada dia: na menor das lutas nos colocamos a reclamar e dizer tudo esta perdido; não tem mais solução; tudo se torna difícil. Muitos se afastam da Igreja, do Grupo, do Coral, da Mocidade, dos Obreiros sem darem a menor importância.

Se compararmos a nossas lutas com as lutas de Paulo, vamos observar que estamos vivendo num paraíso. Muitas vezes colocamos as lutas como um terror na nossa vida, talvez um desemprego, doença, calúnia, difamação, desprezado por alguém, seu melhor amigo que se tornou seu inimigo, tantas e tantas queixas.

Você sabe qual a tua luta, mas olhe para o exemplo de Paulo que apesar de tanto sofrer, deixou-nos as seguintes palavras: "A NOSSA LEVE E MOMENTÂNEA TRIBULAÇÃO PRODUZ PARA NÓS UM PESO MUI EXCELENTE."


Pr. Daniel

Grupo Maná Celestial

Fonte

Um comentário:

Marcos disse...

Nossa muito legal o conteúdo do seu blog, muito edificante, q Deus continue te abençoando sempre, pois ele tem muito pra vc....
Graça e Paz