quinta-feira, 3 de março de 2011

Da Igreja Renascer


 Ailton André Nunes se tornou a pouco mais de um mês no mestre da bateria da Verde e Rosa, criado no meio da comunidade.

Contradição com a fé? Não para Ailton, percussionista profissional, 39 anos, casado, pai de duas filhas e avô de outra menina. “Sou um servo de Deus e acredito que as pessoas têm um dom. E acredito no plano de Deus para a minha vida. E faz parte passar por isso, estar à frente da bateria”, explica o maestro, que também é um dos autores do samba que homenageia Nelson Cavaquinho, enredo da escola. O percussionista profissional fez parte da escola de samba antes de se converter, chegou a ser um dos diretores e também o primeiro repique. Nesse período, começou a ter condutas que estavam quase destruindo sua família, foi quando ele passou a freqüentar a igreja.

Na caminhada de lá para cá, trabalhou com música, rodou a Europa como percussionista e reencontrou amigos no Brasil. Mas demorou oito anos para aceitar o convite de voltar a tocar na escola. Agora, no comando da “Bateria Surdo Um” ele pretende ganhar nota 10 para a Mangueira.
Sobre cair em tentação em meio à festa da carne o presbítero diz: Todos nós somos pecadores. Só que tem um porém: eu tenho consciência que sou pecador, mas hoje não vivo pelo pecado”.

Fonte

Um comentário:

Áleckson Marcos disse...

Esse cara não tem nem um pouco de vergonha e tem coragem de intitular-se de presbítero.O pior de tudo é que isso escandalizam e difamam as igrejas que não tem nada haver com essa palhaçada.Deus tenha misericórdia!