quarta-feira, 12 de maio de 2010

Igreja Mundial terá que diminuir o volume


A Igreja Mundial do Poder de Deus – Templo dos Milagres ainda não foi intimada pela Justiça a não realizar eventos ou cultos religiosos em sua sede, na Rua Paulo Barbosa, 92. Porém, mesmo com a decisão só valendo a partir do dia em que a igreja receber a intimação, os pastores responsáveis pelo local já diminuíram o volume dos cultos. Na tarde de ontem, o culto estava em um volume consideravelmente menor do que o registrado até semana passada. A intimação deve ocorrer ainda nesta semana.

Em liminar deferida na última quinta-feira (6), o juiz Marcelo Telles Maciel Sampaio, da 2ª Vara Cível da Comarca de Petrópolis, determinou que, para continuar suas atividades, a igreja precisa do certificado de aprovação do Corpo de Bombeiros e de um revestimento acústico em seu salão para voltar a realizar os seus cultos. Além da queixa de moradores vizinhos em relação ao barulho provocado pela igreja, a liminar atendeu à indicação do Corpo de Bombeiros de que o local não está prevenido contra incêndios e pânico.

Fiéis da Igreja Mundial do Poder de Deus já demonstram preocupação com o possível fechamento da igreja. Como a decisão judicial já foi noticiada pela imprensa, frequentadores já sabem dos riscos e sugerem a diminuição do volume dos cultos e eventos para que a igreja continue com suas atividades.

“Você viu no jornal de sábado? Estão implicando com a igreja por causa do barulho. Acho que se abaixarem um pouco o som, eles não vão fechar a igreja. É só abaixar um pouco. No Centro, existem outras igrejas evangélicas e ninguém implica com elas”, argumentou uma senhora que saía do culto na tarde de ontem.

Procurado mais uma vez pelo Diário de Petrópolis, o responsável pela Igreja Mundial do Poder de Deus – Templo dos Milagres, pastor Omar da Silva Ribeiro, não foi encontrado. Já o pastor auxiliar Valmir de Souza afirmou que a Igreja não irá se pronunciar sobre a liminar enquanto não for intimada.

Ação foi movida pelo Ministério Público

O autor da ação civil pública foi o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), através da 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo Petrópolis (Promotoria de Justiça do Meio Ambiente). O promotor de Justiça Paulo Valim frisou que a ação busca o equilíbrio entre “a liberdade de culto, a segurança dos fiéis e a proteção contra a poluição sonora”. Ele argumentou que a ação não tem qualquer caráter de perseguição religiosa, já que também busca a segurança dos fiéis da Igreja Mundial do Poder de Deus.


Fonte: Diário de Petrópolis / Gospel Prime

3 comentários:

Diacono Sergio Christino disse...

Certa vez, um homem pediu a Deus
uma flor...
...e uma borboleta.

Mas Deus lhe deu um cacto...
...e uma lagarta.

O homem ficou triste pois não entendeu o porque do seu pedido vir errado.
Daí pensou : Também, com tanta gente para atender...
E resolveu não questionar.
Passado algum tempo, o homem foi verificar o pedido que deixara esquecido.
Para sua surpresa, do espinhoso e feio cacto havia nascido a mais bela das flores.
E a horrível lagarta transformara-se em uma belíssima borboleta.
Deus sempre age certo.
O Seu caminho é o melhor, mesmo que aos nossos olhos pareça estar dando tudo errado.
Se você pediu a Deus uma coisa e recebeu outra, confie.
Tenha a certeza de que Ele sempre dá o que você precisa, no momento certo.
Nem sempre o que você deseja...
é o que você precisa.
Como Ele nunca erra na entrega de seus pedidos, siga em frente sem murmurar ou duvidar.
O espinho de hoje...
será a flor.
Tenha uma excelente semana
Abraços
Diacono Sergio Christino

Katia disse...

Acho um absurdo. Por que não deixam eles em paz? Deveriam ir atrás de bandidos que sem fazer barulho fazem grandes estragos na sociedade...estou com eles embora seja de outra denominação...Deus a abençoe.

Anônimo disse...

É BOM BAIXAR VOLUME MESMO,DEUS NUM É SURDO NÉ!!!!